Anais da 30aRBA
ISBN n° 978-85-87942-42-5

MR032. Questões de ética de pesquisa antropológica à luz de experiências recentes no estudo de usuários de crack

Pretende-se aqui examinar as questões conceituais relacionadas a ética em pesquisa com usuários de crack, habitantes das grandes metrópoles. Move-nos a intensa discussão, realizada entre autoridades universitárias e governamentais, em torno de questões envolvendo ética e pesquisas antropológicas. Dada a existente correlação de forças impactando a área acadêmica, onde predominam as ciências médicas, existe uma forte pressão para que os métodos e conceitos éticos, desenvolvidos no âmbito da biomedicina sejam generalizados como parâmetros únicos de referência para pesquisas a serem consideradas como sérias e legítimas quando envolvendo seres humanos. Isso traz importantes dificuldades para a realização de estudos entre membros de grupos ocultos ou relacionados a práticas ilegais ou estigmatizadas, como os usuários, produtores e comerciantes de drogas ilícitas. Mas algumas das exigências que vêm sendo feitas pelas novas propostas de controle ético da pesquisa não atendem às necessidades específicas desse tipo de investigação científica. As pesquisas realizadas com usuários em situação de rua e a entrada nesses territórios demanda negociações nem sempre visíveis e controladas pelo pesquisador, além disso demanda estratégias de relação que tem sido diversificadas nas pesquisas até então realizadas.

Rubens de Camargo Ferreira Adorno (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO)
(Coordenador)
Rubens de Camargo Ferreira Adorno (UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO)
(Participante)
Osvaldo Francisco Ribas Lobos Fernandes  (Universidade do Estado da Bahia - UNEB)
(Participante)
Deborah Rio Fromm Trinta (PPGAS/ Unicamp)
(Participante)